Ginecologia

31 01, 2011

Cancro. Porquê?

2020-01-05T19:51:29+00:00Ginecologia|

Imortalidade celular? Uma das características das células normais é a morte programada, o que quer dizer que cada uma das nossas células detém a informação do momento em que tem de morrer, sendo ou não substituída por outra. Embora o nome tenha pouco interesse, a isto chama-se apoptose. É relativamente frequente, durante o processo de divisão celular surgirem erros de cópia do material genético que levam a mudanças na sequência dos nucleótidos (partes do ADN): mutações. Enquanto em pequeno número, estes incidentes desfavoráveis são controlados e as células com mutações são pura e simplesmente eliminadas por mera seleção natural. A ocorrência de repetidas mutações para além do suportável (com fragmentação de cromossomas e rearranjos aleatórios, reduções e amplificações de genes), leva a alterações graduais no genoma (sequência de DNA [...]

24 11, 2010

Cancro do Colo do Útero

2020-01-05T19:52:31+00:00Ginecologia|

A neoplasia evitável Em Portugal, o cancro do colo do útero representa o 3º tumor maligno da Mulher, a seguir ao mamário e ao colorectal. A incidência é de 12,2/100.000 mulheres com uma taxa de mortalidade de 3,6/100.000. Isto quer dizer que há quase 1.000 novos casos por ano, morrendo uma mulher por dia devido a esta patologia. O carcinoma invasor do colo é precedido por lesões précancerosas denominadas no seu conjunto por neoplasia intraepitelial cervical (CIN) com dois graus de gravidade (baixo grau e alto grau) que ainda apresentam bom prognóstico. Os factores de risco estão maioritariamente relacionados com a actividade sexual e com hábitos pouco saudáveis: precocidade das primeiras relações sexuais, múltiplos parceiros, promiscuidade sexual, parceiros com infecções a HPV, antecedentes de doenças sexualmente transmissíveis, paridade elevada, [...]

10 11, 2010

Síndrome Prémenstrual

2020-01-05T19:55:30+00:00Ginecologia|

A entidade Síndrome Pré-Menstrual (SPM) refere-se a um grupo de sintomas físicos e comportamentais que ocorrem ciclicamente na segunda metade do ciclo genital. Na sua forma mais comum (também frequentemente chamada Tensão Prémenstrual (TPM) que pode afectar cerca de 70% das mulheres menstruadas, os sintomas são de intensidade ligeira a moderada, não chegando a interferir com a maioria das actividades da vida diária. Os sintomas são muito variáveis de senhora para senhora mas os mais frequentes são: fadiga, letargia, edemas por retenção de líquidos, alterações do apetite e do sono, tensão e dor mamárias, ganho de peso, dores musculares, cefaleias irritabilidade, ansiedade, tristeza, frequentes variações do humor acompanhadas de episódios de choro, conflituosidade e dificuldade de concentração. Na forma mais grave que afecta cerca de 5% das mulheres, denominada [...]